24 de outubro de 2009

Bloggers / Críticos

Recentemente, participei em algumas discussões sobre a dicotomia Blog/Crítica. Como sempre, e porque o ser humano é talhado para o conflito, extremaram-se opiniões e aquilo que podia ser uma boa discussão, acabou por ser mais um acto de picardia que nada de novo trouxe à luz do entendimento.
Deixo então a minha, presente, opinião sobre o assunto:
O mundo da blogosfera está a dar os primeiros passos e é certo que janelas se abrem para um novo tipo de apreciação e avaliação de vinhos (assim como para os demais sectores: produção, comercialização, etc.). No meu entender, cada mudança, cada novo paradigma necessita de tempo para se adaptar e criar conceitos.
A criação de um novo patamar, paralelo à crítica, trará só por si uma paleta de novas apreciações e formas de encarar o produto. As vantagens de se ser bloguer prendem-se inevitavelmente a critérios de independência e isenção que a critica muitas vezes demonstra não ter. Para mais um bom crítico deve avaliar qualidade e não tanto gosto pessoal. O blogger pode muito bem colmatar o espaço e avaliar segundo o critério de gosto em detrimento da qualidade! Alguém que compre os vinhos que prova, que tem liberdade de dizer o que lhe vai na alma, é de apoiar e considerar.
Tristemente, acho que estes novos actores não vêem o papel da mesma forma, mas como um patamar no caminho da crítica. Não encontro nada de errado nisso, mas tenho pena que não entendam que podem desenvolver um grupo paralelo muito necessário à auto-regulação da opinião! Mais ainda, penso que a confusão se põe, porque os críticos em Portugal se demitiram de criticar. Limitam-se a provar, visitar e reportar. A confusão dos papéis vem daí. Curiosamente não atribuo a responsabilidade tanto às pessoas que escrevem (Cf. http://wizardapprentice.blogspot.com/2009/01/wine-righterspt.html), mas essencialmente à falta de coragem de quem dirige e possivelmente (porque não me consta que alguma vez tenha sido verdadeiramente avaliada!) à falta de fair play de quem anuncia/patrocina.

Sem comentários: