22 de julho de 2012

As escolhas de … João Pedro Araújo


Se constantemente apelido a fileira da produção de chata e pouco humorada (sim, o humor não é mau. É pouco!), tenho obrigação de mencionar as excepções que vão confirmando a existência de regra. João Pedro Araújo é, sem dúvida um desses casos. Tenho com ele uma profunda e solida amizade que conta já com… deixa cá ver Hugo…. com…. Para aí um ano bem medido. É… ano, ano e meio.
Conheci o João... Ok! Vocês não querem saber!
Agora a sério, em bom português, achamos que o humor, quando existe e é bom, não pode coexistir com mais nenhuma qualidade humana que valha a pena salientar. Enganam-se. Redondamente. Puxem lá por ele! Perguntem o que pensa sobre as regiões onde trabalha, o quê e o porquê das filosofias que segue na vinha, na adega e no armazém e depois falamos. Tá?
Enfim. Resumamos assim: é um tipo porreiraço, humorado, competente e com uma abordagem à produção de vinho que muito me agrada. Membro activo do IWA (pensavam que eu ia escrever IWG, não?) e claro, filho da proprietária (como ele orgulhosamente se apresenta) da Casa de Cello.

Um livro para férias?
Vindima de Miguel Torga. “Sem este livro não se sente o Douro”.

5 Livros, “obrigatórios” na estante de um enófilo?
Nenhum. "Para enofilo sugiro uma eurocave e enche-la de bons vinhos e bebe-los. Aprende-se muito mais. Um Bom vinho diz tanto com um livro sobre vinhos." 

5 Viagens que o enófilo “tem de fazer”?
Douro,
Médoc e Saint Emilion,
Borgonha,
Champanhe
Itália Vinhateira.



P.S. Obrigatória a audição da entrevista que concedeu ao Wine Pulse, na condição de membro do IWA. trata-se de uma entrevista curta, mas cheia de interesse, principalmente para produtores.

Sem comentários: