17 de outubro de 2014

Enólogo. Procura-se.



Estou há 10 minutos em frente do computador a tentar arranjar uma forma irónica de dizer o que tenho para dizer. Não consigo, pois quanto mais tempo passo de volta desta ideia, mais depressivo fico e mais argumentos encontro para que este seja mais um daqueles casos óptimos que descrevem a forma como os empresários Portugueses pensam. 

Vi um anuncio de emprego em que uma empresa não especificada pedia um enólogo. Não vou descrever o anuncio, pois está na rede, é uma questão de pesquisarem. Perplexo fiquei quando vejo que o empregador, não querendo levar ninguém ao engano, afirma estar disposto a pagar 500€ mais pozinhos ao técnico superior que está à procura. Fiquei curioso, será que está à procura de um consultor? Um olhar mais atento dissipou-me a duvida. Não "tempo inteiro"! 
Melhora quando temos em conta que pede experiência!

Sério?

Antes que comecem a fazer alardo das papagueadas que os "politicoides" do "economês" gostam de propagandear para justificar a incompetência generalizada da gestão portuguesa, peço que, pelo menos, leiam e pensem nos meus argumentos! Prometo que pensarei nos vossos!

Ponto 1: È imoral o facto de andarmos todos a pagar impostos que também vão para a formação de técnicos superiores e depois esperar que estes sejam remunerados como trabalhadores não qualificados, mas realizando tarefas qualificadas.

Ponto 2: Que tipo de enólogo espera um produtor encontrar por este valor. Alguém com capacidades para adicionar real valor ao seu projecto, ou apenas um licenciado em enologia desesperado por pão?

Ponto 3: È para isto que andam preocupados em fazer legislação que defina o estatuto do enólogo?

Ponto 4: Quantos produtores conseguem viver com o dobro dos salários que propõem? Quantos destes estarão cá daqui a 10 anos?

Sei que isto é norma cá no Burgo e transversal a todas as qualificações. Duas conclusões óbvias me saem daqui. 

1ª País nenhum se consegue desenvolver quando tratamos assim os nossos técnicos qualificados. Quando demonstramos claramente que não queremos os melhores, apenas uns. Quando não fazemos bitola no mérito nem nas qualidades. Enquanto andarmos na briga do barato!

2ª Este produtor não procura um enólogo, mas sim um adegueiro... em inicio de carreira!

Sem comentários: