27 de outubro de 2014

Sabedoria do Mendes (VI)


Noto uma tendência crescente para que, mesmo dentro da gama de vinhos de um produtor, termos, em concursos nacionais e internacionais, bem como em painéis de prova mais ou menos cega, os vinhos de gamas mais baixas com classificações mais altas que os topos de gama. Também vejo muitos produtores industriais a serem melhor classificados que produtores "terroaristas".

A confirmar-se, quem achar que isso se deve pura e simplesmente à qualidade dos vinhos, deveria ser proibido de os continuar a fazer. Deveria  ser condenado/a a uns 10 anos de prisão efectiva mais proibição vitalícia de se aproximar de uma adega.

Quem perceber o porquê, por favor, explique-me... estou à nora!

4 comentários:

Anónimo disse...

Olá Hugo
Vou dizer o que acho.
Em grande parte, acho que se deve aos provadores. Vinhos diretos, docinhos, etc.
Por vezes, pode mesmo ser estratégia dos produtores, ao prepararem amostras deliberadamente apelativas, para apostarem num determinado vinho que está a acumular demasiado em armazém.
Outras hipóteses haverá, quem souber e quiser que as lance.
Bons postos.
Ricardo

Anónimo disse...

Como sempre a teoria da conspiração...

Hugo Mendes disse...

Ricardo,
Não acredito que seja uma estratégia, muito menos deliberada.
Penso que andará apenas numa desatenção no que à promoção diz respeito, juntamente com uma vontade de ter sucesso muito rapidamente.
Explicarei muito em breve o que penso sobre isso!
Obrigado pela participação!
Abraço

Hugo Mendes disse...

Anónimo Anónimo,

Se entendi, vê no post uma teoria da conspiração! Qual?