4 de abril de 2012

Les Vins effervescents


Se há coisa que um dia me pode arruinar, se há vicio que me põe em êxtase, é esta coisa dos livros. Compro por impulso sempre que os títulos me sugerem conhecimentos prazerosos ou complementos diversificados para os parcos saberes que vou conquistando.
Um dos temas que mais me apaixona são os espumantes. Eu sei, já não suportam ouvir-me dizer isto.
Tenho construído uma pequena biblioteca sobre esta forma de vinificar e embora não sejam muitos, já possuo obras das quais me orgulho. No que à técnica diz respeito, descobri recentemente este que se arrisca a transformar na bíblia para os vinhos efervescentes.
Infelizmente, o tempo para ler reduz-se de dia para dia. Como tal, livros como este, que seriam devorados e resumidos, manter-se-ão no limbo da consulta. Vale-me o facto de estar muito bem organizado e munido de um bom índice ao qual se junta um excelente índice remissivo (não é tão comum como possam estar a pensar).
É um poderoso compêndio, escrito (e foi o que me despertou curiosidade) em co-autoria por Gerard Liger-Belair, uma sumidade em bolha de espumante, e Joël Rochard (que não faço puto de ideia de quem seja!). Depois, com prefácio de Ribéreau-Gayon…. A compra teria de ser inevitável.
Desenganem-se os enófilos militantes (sem qualquer intenção de menção ao fantástico e austero blog com o mesmo nome – a minha sincera chapelada para ele), este livro não é para vocês. XÔ!
Trata-se de uma poderosa ferramenta de trabalho para quem, como eu, se quer tornar especialista nestas lides das bolhinhas. Pelo que já consegui ler… não há nada do género que se lhe compare.
É caro como o raio (aproximadamente 40€ no editor) para o tamanho, mas garanto-vos que vale cada níquel. Nem o facto de estar escrito em francês, o que me obriga a pesquisas constantes num qualquer dicionário online, me demove da sua consulta.
Mas XIIIUUUU!
Isto terá de ser um segredo nosso! Não quero que os outros enólogos saibam da sua existência, não quero concorrência…. Quero ser o maior!
E todos sabem que, para se ser o maior nesta vida de enólogo temos de ter segredos e esconder as fontes…. Não é assim? ; )

4 comentários:

paulo disse...

Bela Biblia!! Apanhei esse livro em segunda mão na Moulin!! De enorme utilidade...agora se fazes favor Hugo!!! Xiuuuu...ehehehheheh

Hugo Mendes disse...

não conheço a Moulin... o que é?
Caladíssimo! lol!

paulo disse...

é uma livraria em Paris que vende livros em segunda mão por metade do preço praticamente!

Hugo Mendes disse...

ainda não passei por lá..... a seu tempo! ; )