4 de junho de 2012

Inspira Portugal, Touriga Nacional – Post I



Antes de mostrar aqui as minhas conclusões sobre esta prova formativa, antes de dissertar sobre as diferentes regiões, sobre os diferentes géneros de trabalhar a casta e, no limite sobre a casta em si, tenho uma enorme vontade de falar sobre o evento. Desta forma, quem procura conclusões, não as encontrará aqui. Agora.

Confesso-me farto de tanta prova perscrutante e localizadora do melhor vinho do mundo, da melhor expressão disto e daquilo, da classificação, apenas numérica e fria de algo tão variável como um vinho.
Dizia-me um outro enólogo  que somos nós os verdadeiros culpados por todos os preconceitos que existem por ai. Desde os brancos que se bebem novos e somente com tempo quente até ao famigerado “melhor do mundo”. Sem duvida que concordo com ele. Se não formos nós a tomar as rédias da formação de enófilos, não sei quem poderá ser.
Desta forma e inspirado também  pelo conceito de prova praticado no IWC, perguntei-me se, não haveria espaço para provar os vinhos, apenas pelas suas características variáveis. Fazer comparação apenas nos caracteres comuns e tentar de alguma forma dignificar cada um dos vinhos provados, atribuindo-lhes diferenciação e especificidade ao mesmo tempo  respeitando a sua individualidade. É assim que vejo o vinho, não um conjunto de números que o hierarquizam segundo critérios pouco emotivos.
Esta primeira data, 2 de Junho – Quinta das Carrafouchas – Loures, serviu como balão de ensaio. Foi o teste do conceito.
Tive receio de não conseguir reunir um número de provadores que permitisse honrar a aposta que os produtores fizeram. Existiu o medo de não receber a tempo vídeos e vinhos, por parte dos produtores.
Este medo é bom, é anímico, é valoroso. Empurra-nos para a concretização.
Quando nos comprometemos com produtores e enófilos ao mesmo tempo, não há como parar nas horas em que os pequenos contratempos nos dão vontade de desistir.
Felizmente para mim, este primeiro evento superou todas as minhas espectativas. Teve um nível de aceitação extraordinário, os feedbacks foram muito bons. O conceito muito bem apreendido.
É hora de devolver aos produtores as apreciações dos vários intervenientes, de olhar para as necessidades de melhoria e refazer as minudências de forma a que o próximo possa ser ainda melhor.
Preciso agradecer a todos os que me ajudaram e apoiaram na concretização deste evento, em especial aos produtores que, pela forma como o  fizeram, tornaram esta realização possível. Saliento ainda a participação de Nuno Magalhães e Paulo Coutinho que acederam gravar (no caso do Paulo, assumiu também a realização e edição) os vídeos com as opiniões técnicas.
Muito obrigado a todos. Voltarei com as minhas conclusões!
Foram 29 referências representantes de 9 regiões. Darei opinião região a região.

P.S.: Já há reacções aqui:

Sem comentários: